Compartilhar share

SIDEMS

Publicado em 12/09/2017 às 11:26 - Atualizado em 12/09/2017 às 11:24

O Índice de Desenvolvimento Municipal Sustentável (IDMS) é uma das ferramentas do Sistema de Indicadores, que tem como objetivo avaliar os municípios segundo seu nível de desenvolvimento sustentável. Além disso, esta ferramenta busca auxiliar os agentes públicos a se situar em relação a um cenário futuro desejável e a definir prioridades locais visando à conquista de patamares mais elevados de sustentabilidade e bem-estar social.

O objetivo central desta proposta é facilitar o acesso dos agentes públicos à imensa quantidade de informações espalhadas pelas bases de dados dos órgãos públicos. Com isso, a FECAM deseja fomentar a prática do planejamento, avaliação e tomada de decisão orientada por informações técnicas, tornando-se, também, uma base de referência para a pesquisa científica e o trabalho jornalístico em nosso estado.

O propósito subjacente a tudo isso é transportar os municípios e regiões à patamares mais elevados de bem-estar social por meio da identificação e análise das áreas e processos que limitam o seu desenvolvimento.

A noção de desenvolvimento sustentável

Os maiores cientistas sociais e econômicos vêm relatando uma grande transição paradigmática que marca a passagem de um modelo de desenvolvimento baseado meramente no crescimento econômico para modelos de desenvolvimento de base mais ampla, capazes de reconhecer a relação de interdependência entre as mais diversas dimensões formadoras da vida, na qual se incluem a Cultura, os Direitos Sociais, o Meio Ambiente, a Política e a Participação Social, por exemplo.

A sustentabilidade, segundo o maior especialista do mundo neste assunto, o polonês Ignacy Sachs, pode ser entendido como um desenvolvimento socialmente includente, politicamente descentralizado, ambientalmente prudente e economicamente sustentado no tempo. Além disso, precisa ter capacidade de satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades. (Relatório de Brundtland, “Nosso Futuro Comum”, 1987).

O desenvolvimento sustentável nega conceitos como centralismo e padronização e dissemina conceitos como descentralização e poder local buscando sempre reconhecer e ativar os recursos humanos, naturais, econômicos e culturais de cada território.

Aplicando este conceito à esfera local, podemos considerar que a promoção de um desenvolvimento municipal sustentável deve se pautar na construção das seguintes realidades:

  • Meio ambiente equilibrado;
  • Direitos fundamentais dos cidadãos respeitados;
  • Infraestrutura adequada;
  • Economia local equilibrada, com recursos locais ativados;
  • Gestão municipal responsável e transparente;
  • Protagonismo social;

Todas estas noções estiveram presentes na construção da metodologia deste projeto e são consideradas eixos estruturantes para a elevação dos níveis de vida dos nossos municípios e regiões.

Fonte: Fecam.

 



publish